Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2004

Sonhos

Olho em frente... vejo o mar.Sinto uma brisa passar pela minha cara. Estou à beira de um precipício enorme. Estou indeciso entre recuar e avançar.--A ideia de me lançar no vazio passa-me pela cabeça, a minha mente delira com a ideia de encontrar algum conforto nas irregulares escarpas por baixos dos meus pés.Ok, dou um passo em frente e tudo vai mudar. Estou agora num deserto branco, no meio do nada, rodeado de neve.-O frio é tanto que não me sinto. -Estou descalço e a neve queima os meus pés. -O vento gélido fere-me a cara como lâminas afiadas.-Não, a dor é apenas física. O meu corpo não aguenta as condições, mas a minha mente encontra-se eternamente calma neste cenário desolador. Vou esperar que o frio congele o vago sopro de vida que ainda me resta.----Muda tudo. Estou agora num pântano. -As árvores mortas parecem querer abraçar-me-Parecem querer levar a minha vida com elas. Lá ao fundo, uma cripta ergue-se do solo, protegida pelas mais horrendas gárgulas. É tudo tão mórbido que perco as forças só de olhar em volta. Sinto que me estou a afundar na lama. Não faço nada para o evitar...estou-me a deixar ir. Nada me prende ao mundo, afundo-me como chumbo. Estou já enterrado. Só mais um pouco e...---Não sei nada. Estou confuso, rodeado pela mais profunda escuridão. Sinto um ar pestilento, pesado, enfadonho. Devo estar dentro de algum tipo de recinto fechado. Oiço qualquer ruído... uma luz. Grito por ajuda... a minha mórbida voz ecoa. Estou num túnel, a luz aproxima-se. Continuo a gritar por ajuda... Não, não é ninguém. Aproxima-se um enorme comboio e vejo que estou na trajectória da besta. O imparável monstro de metal aproxima-se a uma velocidade assustadora. Estou completamente paralisado. Encho os pulmões pela última vez e preparo-me... Oiço o som da inevitabilidade aproximar-se... Sei que nada posso fazer... Está tudo perdido e eu... finalmente encontrei-me. Só me resta esperar...Este texto foi escrito por mim, mas a minha nina é que o tornou legível... Vejam o blog dela, vale a pena ler os textos da melhor escritora que conheço... Passem por lá, os textos são deveras bons...

Merdas Goticas

Vejam também o blog de uma amiga que tem passado um mau bocado...

Sollicitus Succubus

publicado por zaitz3v às 10:36
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2004

Monotonia

Outro dia está a começar. Sou arrancado do sono pelo ruído do despertador. O som da monotonia impõe-se de novo sobre a minha vaga existência. Penso em ti. Desejo acordar um dia a teu lado, ser a primeira pessoa a dar-te os bons dias. E é contigo no pensamento que me despacho, pois já estou atrasado. A chuva bate na janela. Olho para o horário e vejo que vai ser um dia pesado. Lembro-me de ti e o peso deste dia aumenta, estás tão longe!Fecho a porta de casa e abro o guarda chuva. E assim vou para diariamente para o meu pequeno pedaço de inferno, a escola. Sozinho. Faço todos os dias o mesmo caminho, várias vezes por dia. Sempre te tenho no pensamento, penso em ti a cada passo que dou.Enfim chego. Passivamente, assisto às aulas. Tento prestar alguma atenção, mas vejo a minha mente invadida por ti. Estás tão gravada em mim! Enfim, os primeiros noventa minutos passam e vou para o intervalo. Estou rodeado por pessoas que conheço, mas a sensação de solidão invade-me outra vez. Trocava todos estes intermináveis minutos para estar contigo. Toda a gente está com a pessoa que ama ao lado, e eu, sozinho, encontro-me outra vez a pensar em ti.Tenho vontade de ganhar asas e voar daqui para fora! Quero estar contigo! Tanto que invejo a tua sombra! Mas estou aprisionado ao meu pequeno pedaço de inferno, não posso fazer nada contra isso. Espero que compreendas. Passo os dias a pensar em ti e a pensar no momento em que estarei contigo.Finalmente as aulas acabam. Regresso a casa completamente devastado, esmagado pela escola. Mal consigo respirar. Mas quase que corro para casa. Neste momento sei que em breve irei falar contigo. Esperei o dia todo por este momento! Vou comer qualquer coisa, ligar o PC e estar contigo! És o único motivo que me leva a olhar para a frente e sorrir.O dia termina. Estou completamente arrasado. Vou-me deitar e tentar dormir. Tenho-te de novo no pensamento. Creio que sonho contigo, apesar de não me recordar dos sonhos, pois é a pensar em ti que adormeço. Sei que é a pensar em ti que amanhã vou acordar. Durmo, sabendo que amanhã o vicioso ciclo vai recomeçar. É a pensar em ti que encontro forças para o enfrentar de novo.Tento encontrar alguma palavra especial para te dizer o quanto importante és para mim. Mas apenas sei dizer que... AMO-TE!
publicado por zaitz3v às 17:49
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2004

Ahahahahah,está tãaaaao linda!

Uma vez um prisioneiro escapou depois de 15 anos enclausurado
naquela prisão
horrenda. Durante sua fuga ele encontrou uma casa, arrombou e
entrou.
E deu com um jovem casal que estava na cama. Ele então arrancou o
gajo
da cama,amarrou-o a uma cadeira depois amarrou a mulher na cama e
quando
ele estava em cima dela ele beijou-a na nuca, levantou-se e foi à
casa de
banho.
Enquanto ele estava lá, o marido disse a sua mulher:
"Ouve, este gajo é um prisioneiro, olha para as suas roupas! Ele
provavelmente passou muito tempo na prisão e há anos não vê uma
mulher. Se ele quiser sexo, não resistas, não reclames, apenas faz o
que ele
te mandar,dá-lhe prazer. Este gajo deve ser perigoso. Se ele se
zangar ele
mata-nos."Força amor, eu amo-te!"
E a mulher respondeu:
"Estou feliz que penses assim. Com certeza ele não vê uma mulher há
anos,
mas ele não estava a beijar a minha nuca. Ele estava a murmurar ao
meu
ouvido. Ele disse-me que te achou muito sexy e perguntou se temos
vaselina na casa de banho. Força amor. Eu também te amo
publicado por zaitz3v às 18:15
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2004

A SEREIA E O POETA

Caído de joelhos na areia
Olhos perdidos, vagando pelos ares
não perceberam a linda sereia
que surgia brejeira, vinda dos mares

O céu escureceu
e a noite chegou umbrosa
olhei para o mar e vi
a rainha dos mares dengosa


Os pássaros voavam
sempre aos pares
Talvez eles fugissem
da vampira dos mares


Ela chamou meu nome
com uma voz doce e calma
dei um passo vacilante
e a sua voz encorajou minha alma


Caminhava firme agora
sempre em sua direção
ela sorria e chamava-me
desafiando dos mares a imensidão


Fui me aproximando e comecei a nadar
ela então chegou mais perto e parou
pude então vê-la perfeitamente,
e a feiticeira dos mares assim falou:


"-- Ó poeta triste,
ouvi teu pranto e vim te buscar
não chores mais pela amada perdida,
nem pela vida que há de acabar.
Se sofrias pela solidão imposta
a tua alma atormentada ainda
despeça-se de tudo que não gosta
pois conhecerás a morte linda!"


Fitei-a longamente
e contemplei a sua beleza
a sua alvura e cabelos ruivos
que se escondiam nas profundezas


Por fim aceitei a minha sorte
sorri e segurei a sua mão
sabia que aceitara a dama da morte
e minha vida lhe pertencia então


Mergulhamos, e fui deixando-me levar
não sentia mais meu corpo molhado
olhei profundamente seus olhos rubros
e despedi-me das dores do passado


Ambos sabíamos o que aconteceria
o momento fatal se aproximava
as horas perderam o sentido
o tempo já não mais importava


Foi então que paramos
o silêncio que nos cercava
ambos nos contemplamos
o fim finalmente chegara


Aproximou-se de mim e inclinou a cabeça
beijou-me profunda e longamente
os meus braços a envolviam
e ela envolvia a minha mente


Os seus lábios eram doces
E a sua lingua passeava por minha boca,
Ela me segurava e sugava minha vida,
Sedenta, encantadora e louca


E que ingrata surpresa
quando ela parou e se afastou
os seus cabelos flutuavam
e virando-se falou:


"-- Ó poeta da noite,
não posso roubar tua vida
mesmo eu sendo dos mares bandida
não posso tirar-te da solidão!
A tristeza que te acompanhas é eterna
tão eterna quanto sua paixão,
sei que queres aliviar teu sofrimento,
pobre de ti, que tens coração!
Devolverei-te a branca areia
de onde não devia tê-lo tirado
Mas por favor, não esqueças esta sereia
e saibas que és meu amado!"


E então, incrédulo e perturbado
por não ter minha vida ela roubado
falei pela primeira vez:
"--olha pra mim, vampira dos mares,
e diz-me o que vês!
Verás a minha alma atormentada
pela morte que nunca chega
Será que não vês isto, ou serás tu cega?
E ousas dizer que sou teu amado,
zombas do poeta triste e atormentado?
se te divertes a amargura do meu coração
vai-te embora, e deixa-me aqui calado"


E ela respondeu:
"--Escuta poeta obscuro,
presta atenção para entender:
O teu coração amargurado e impuro
deseja a morte desesperadamente
e tu não percebes o encanto de tua mente.
És belo, louco e atraente
E a morte também te deseja,
Por isso não quer consumir
os teus olhos escuros e penetrantes,
nem mesmo o teu cabelo longo e negro,
nem os teus lábios bem desenhados,
nem os teus sonhos amargurados,
nem a alvura da tua pele e
muito menos o resto
e agora com um beijo me despeço
pois tenho que ir
O dia ira nascer
detesto ter que partir
Mas assim terá que ser."


Incorformado, insisti:
"Espera! Então é assim?
Despedes-te e somes?
Percebes que a minha tristeza me consome,
E não ligas para mim?
Seremos amantes distantes?
Como o céu e o oceano,
que tanto se amam,
que percorrem o infinito
e nunca se encontram?"


Ela respondeu, em tom de despedida:
"É teu destino poeta, não há saída!
Amo-te, mas não posso possuí-lo.
A solidão fará em ti seu asilo.
Mas será triste também para mim!
Beijarei-te agora,
angelicamente e sem demora,
e só mais uma coisa pedirei:
Pelo nosso amor,
para que nunca me esqueças,
mesmo que te aborreças,
promete-me por este céu
que voltarás agora
pegarás num papel,
escreverás a nossa história,
e serás sempre meu.
E se sentir que tua alma chora,
ou que sua alma se apavora,
corre até esta areia
assim que chegar a aurora
E eu estarei aqui, a pensar em ti!
Agora vai, volta aos teus pensamentos ateus,
Lembra sempre: Amo-te! Adeus!"


Então ela beijou-me
Sorriu e partiu...


Este excelente texto foi inteiramente escrito pela minha nina...
publicado por zaitz3v às 19:35
link | comentar | ver comentários (3) | favorito

Desesperada falta de comentários...

Estou farto disto. Posto todos os dias e sabem quantos comentários? Poucos! Tão poucos que me fazem duvidar do futuro deste blog. Tão inútil, nem sei porque escrevo isto se ninguém vai ler. Creio que todas as visitas que o marcador tem não passam de enganos, pessoas que entram e saem logo, sem sequer ler. Este blog é assim tão foleiro? Porque não comentam? Existe algum problema com o botão de comentar (Send me a light)? Acho que não...

Este blog tem algum significado para mim, por isso não o gostaria de apagar. Mas a quantidade de comments é tão pouca que penso em desistir!
Estou a duvidar seriamente do possível futuro deste blog. Tanto que receio que este possa mesmo ser o seu último post. Se estou a postar para ninguém ler, para que estou a postar?

Deixo aqui um apelo: COMENTEM PLZZZZ! Digam a vossa opinião sobre o blog! Digam o que está assim tão mal que eu corrijo! Digam qual é o problema, para eu o poder corrigir... plzz...
publicado por zaitz3v às 18:04
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2004

Shadow... Pain and sorrow... Restless Beast...

Sozinho... Isolado... Essas eram as palavras que me descreviam em relação à sociedade. Não encontrava algum interesse em quem quer que fosse, por isso não tinha qualquer amigo. E assim fiquei, apenas eu e a minha sombra. Ao princípio ignorava-a. Apercebi-me que estava sempre comigo, e tornei-me amigo dela. Contava-lhe tudo o que me passava pela consciência. Era a única que evitava que eu enlouquecesse... Até que o dia em que respondeu...Uma voz horrível! Um grito que fez os meus ouvidos sangrarem! Ela chamava-me... Eu não queria ir... Dominado por um misto de dor e medo, fugi em busca de ajuda. Não encontrei nada, ninguém se lembrava sequer que eu existia... Todos aqueles com que alguma vez troquei palavras não se lembravam de mim... Sozinho, fugi na esperança que os meus passos me afastassem do meu tormento. Mas a sombra perseguia-me, como uma besta persegue a sua presa.Corri até não ter forças e cair no chão. Olhei em volta, vi que estava no meio de um cemitério. Uma imponente cripta erguia-se mesmo à minha frente. Olhei para a entrada e vi a minha sombra aparecer... Esperava-me, farta de seguir os meus movimentos tinha-se adiantado aos meus passos e montado a sua armadilha. E ali estava eu, tal como ela tinha planeado. Soltou mais um grito que despedaçou a minha consciência, apagou grande parte das minhas memórias, tudo aquilo que definia a minha condição humana...Depois da caçada, a sombra tinha a sua presa. Completamente exausto, não pude fazer nada para evitar o que aconteceu... Não sei bem como se passou, estava atordoado pelos intermináveis gritos da sombra... O único que me lembro é de ver o meu coração sair do peito e a sombra devorá-lo...Finalmente abandonou-me... Em plena luz do dia não tinha sombra. Aproximei-me de uma poça e a minha imagem não estava reflectida na água. Assustado, corri para um grupo de pessoas e gritei por ajuda. Ou me ignoravam ou não me ouviam, pois não tiveram qualquer reacção. Aproximei-me e os seus cães começaram a ladrar, completamente aterrorizados. Toquei-lhes no ombro e sentiram apenas um arrepio, nada mais... Eu podia passar através deles! Em que me tinha eu tornado?Descobri que apenas podia manusear objectos na ausência de pessoas. A minha solidão condenou-me a esta vida. Tenho medo de ser imortal, de o meu castigo ser eterno. Não durmo, não como, não bebo... Não vivo, mas estou cá. Com tanto tempo livre, existo agora numa biblioteca...Com o passar do tempo, adquiri vários conhecimentos sobre o processo que me tinha transformado. Finalmente, descobri notícias da minha sombra num livro esquecido... Tinha adquirido forma física, gastava o seu tempo alimentando-se de medo e ódio.. Passava a sua vida a queimar aldeias e matar todos aqueles que lhe opunham resistência. Tinha em si toda a raiva e ódio que eu tinha acumulado com o tempo, e agora nada a podia parar. Nada expecto eu.Por isso vos escrevo esta minha crónica. Amanhã irei partir para a minha última viagem, irei enfrentar a minha sombra. Sei que isso me custará a vida, mas estou farto dela. Vou-me sacrificar para matar a besta que criei. Para o confronto não conto com mais nada expecto a minha vontade de desaparecer e levar a sombra comigo. Finalmente, vou descansar...

PLZZZZZZ COMENTEM!!!! PLZZZZZ SEND ME A LIGHT!!!!
publicado por zaitz3v às 14:06
link | comentar | ver comentários (6) | favorito
Domingo, 18 de Janeiro de 2004

Madness

Yes, I hear you. I know you?re there...Your voice is buried deep inside my head...Like a scream that makes my ears bleed,Make it go away! Thats only what I need...Hidding behind time, I cannot see you,You are waiting for something I must do...Lurking underneath my very shadownYou folow me wherever I go...You?ve changed me...My dreams turn to nightmares...My flesh turn to ash...My live turn to death...Why won?t you kill me so I can rest?Is haunting me what you do best?You want my head to be your nest...I?m a son of my own madness.
publicado por zaitz3v às 22:19
link | comentar | ver comentários (2) | favorito

On the death...

the snow colored sunlight is bleedingi cant believe that im still breathingi want to know if you feel like i dolight on the wall fading out snow colored huewe're falling out falling inall the words we said come to this endand i cant say those words when youre talkingand like the paint on the wall im just crackingand if you touch me right now i think i'll dieand why even talk if its all liesyou can take the fuckin knife off my cheekwhy even come over when all you wanted was to leaveand that sun going down is the last one i'll seei can see it through you, through the walls, and through a thousand treesyour tongue across my neck. your cat on the bed just watchinin its eyes the wild screams of the dead and soulless children and your mothers ramming on the bedroom doorfathers got the gun, sister counts to six sixty fourwe're so wrong so rightlife ends by death day ends by nighthahaaha did you know there was a spider web under your bed?thats nothing! the light switch has no bottom screw!and shes smiling at me and im laughingmy head hits wood, moms still on other side bashingthe tip of a punch center of my backthe snow colored sun left trees burned blacklast word she whispers is my namei whisper to her that she is to blamelast thing she sees is my facei see hers too its starting to fadelike the words we said like the tears we criedday ends by death life ends by nightEste poema foi escrito pela minha nina... deu-mo para postar no meu blog...A cara estúpida aqui por baixo é a do autor deste blog... Desculpem se o está a estragar...me in darkness2.JPGplz visitem:Blogs da minha nina: http://merdasgoticas.blogs.sapo.pt/ e http://completlyout.blogs.sapo.pt/O nosso blog: http://vodkaepieguices.blogs.sapo.pt/O blog de uma grande amiga: http://succubus.blogs.sapo.pt/
publicado por zaitz3v às 16:06
link | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sábado, 17 de Janeiro de 2004

Sem assunto...

Aqui estou eu sem assunto para postar... Outra vez sem assunto... Sempre sem assunto... Porque nunca tenho assunto para falar? Serei assim tão vazio para não conseguir iniciar uma conversa? Nem um monólogo consigo ter, quanto mais uma conversa... E sempre que arranjo um assunto, nunca dura muito... Sempre assuntos desinteressantes...Tenho medo que os assuntos que eu trato sejam um espelho do que sou... Tenho medo de me ter tornado tão vazio e desinteressante como as minhas conversas o são... Desculpem, mas hoje não estou para muitas conversas... como o costume... Emptiness is filling me, to the points of agony (Metallica, Fade to Black)...Blogs da minha nina - http://merdasgoticas.blogs.sapo.pt/ http://completlyout.blogs.sapo.pt/O nosso blog - http://vodkaepieguices.blogs.sapo.pt/
publicado por zaitz3v às 16:00
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 16 de Janeiro de 2004

Decadência...

Hoje convidaram-me para sair. Não vou, não gosto da maneira como eles se divertem, ou como eles figem divertir-se. Não sei se devo chamar aquilo de diversão...Não sei até que ponto uma pessoa intoxicar-se em álcool até não conseguir beber mais é diversão... Não sei até que ponto vomitar as tripas é diversão... Não sei...Vocês devem estar a pensar que eu sou abstémio... Sim, bebo muito pouco, e o pouco que bebo é cerveja... Não gosto de mais nenhuma bebida álcolica... Com o passar do tempo vi a decadência de uma pessoa bebeda, e prefiro ficar como estou... Simplesmente sóbrio...Que vício será este? Cada vez que saem à noite terem que se afogar em álcool? Por estas razões e por outras é que nunca saio com eles: não me apetece aturá-los e acabo sempre por me aborrecer...Cada vez mais estou satisfeito por ter desistido da viagem de finalistas... Uma semana inteira com eles longe de casa... Bah... Nem quero saber como seria essa semana... Talvez a mais aborrecida da minha vida... E depois ainda as festas que tinha que ir obrigatoriamente por causa da viagem... Ainda bem que desisti logo no príncipio...Esta noite vou ficar por aqui, com a minha nina... Prefiro a companhia dela a toda a minha turma, a toda a minha escola... Amo-te...Blogs da minha nina - http://merdasgoticas.blogs.sapo.pt/ e http://completlyout.blogs.sapo.pt/O nosso blog - http://vodkaepieguices.blogs.sapo.pt/
publicado por zaitz3v às 20:31
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2004

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. A continuação...

. Perdido...

. Outro dia em baixo...

. Ontem...

. Um sorriso...

. Os sonhos...

. O meu caminho

. Porque o último adeus é s...

. O meu mundo

. Voltei!

.arquivos

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

blogs SAPO

.subscrever feeds